Notícias no image

Publicado em 02/07/2012 | por Mestre

TRE / RJ

Dicas para prova do TRE, tendo em  vista as três novas disciplinas  incluídas

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) recebe, até o dia 13 de julho, as inscrições de seu concurso público para 19 vagas e formação de cadastro de reserva para os cargos de analista (nível superior) e técnico judiciário (nível médio). A remuneração é de R$ 6.611,39 e de R$ 4.052,96, respectivamente. Os interessados podem se inscrever no site do Cespe/UnB.

Além do conteúdo cobrado no último edital publicado pelo órgão, foram incluídas três novas disciplinas: atualidades (para todos os cargos), noções de administração pública e noções de administração de recursos materiais (para técnico administrativo).

O Cespe/UnB será a banca do concurso e, diferentemente do último processo seletivo do TRE-RJ, a prova objetiva, desta vez, será no formato de certo ou errado, em que cada resposta correta valerá um ponto e cada resposta incorreta acarretará na perda de meio ponto. Sendo assim, a cada duas respostas incorretas, anula-se uma resposta correta. Além da prova objetiva, será aplicada prova discursiva para todos os cargos de analista judiciário e para o cargo de técnico judiciário em programação de sistemas.

Muitos candidatos têm manifestado insatisfação quanto às alterações feitas no edital de 2012. Mas em geral foram consideradas satisfatórias, já que a banca manteve a maioria das matérias cobradas no último concurso (2006), acrescentando algumas disciplinas apenas: Isto é vantajoso para quem estuda a longo prazo, pois para o candidato que está neste caso específico, já existe o domínio da maioria das matérias, com alguns pontos novos para fazer a diferença. Portanto, o candidato deve estudar para reforçar o que ainda não domina.

As alterações do edital são novidade para todos os candidatos, o que deixa todos em pé de igualdade. Segundo o professor, os candidatos que já vinham se preparando devem aproveitar tudo o que estudaram com base na prova anterior (exceto a Lei 8112/90) e continuar fazendo exercícios dos conteúdos já estudados. Além disso, devem fazer um estudo teórico simplificado dos novos conteúdos, partindo logo em seguida para a resolução de exercícios:

É importante resolver provas anteriores da banca, para ter noção de como esta trata desses assuntos, e em que profundidade. Todo mundo vai ter que sair do zero para essas disciplinas. A diferença vai estar no conhecimento já adquirido e na capacidade de absorção de conhecimento rápido nessas três disciplinas.

De um modo geral, não há motivo para pânico, já que as modificações agravam a situação geral de todos os inscritos, o que mantém o grau de dificuldade controlado, principalmente para os que já vinham estudando.

Vale destacar que direito eleitoral e língua portuguesa são disciplinas que devem ser priorizadas por aqueles que almejam as primeiras vagas.

Com relação à alteração do sistema de provas, agora pelo método do Cespe, Pereira alerta que é uma prova elaborada e que exige do candidato mais domínio do conteúdo, já que a banca retira pontos das questões que são marcadas em desacordo com o edital. Sendo assim, o professor aconselha que os candidatos só marquem as questões das quais eles tiverem certeza da resposta.

As provas do Cespe permitem que o candidato não marque nada, sem que com isso pontos sejam perdidos. Mas não abuse desta vantagem, já que é exigido um mínimo de acertos para não ser eliminado da seleção.

Baixo número de vagas decepciona

Outro ponto que decepcionou os candidatos foi o baixo número de vagas oferecidas. Na opinião dos especialistas, provavelmente a redução decorre de alterações na legislação e será uma tendência em todos os futuros concursos. Com o Projeto de Lei 369/2008 que tramita no Senado e que visa a proibir a cobrança de taxa de inscrição na realização de concurso público somente com cadastro de reserva, a tendência é que se realizem seleções com poucas vagas para atender à legislação.

O TRE-RJ tem a fama de fazer muitas convocações além das vagas ofertadas. Então, toda a aposta nesse concurso está no cadastro de reserva. As poucas vagas são apenas para garantir, por conta da legislação, que o órgão possa efetivamente cobrar a taxa de inscrição, e para que não tenha a obrigação de chamar um grande número de candidatos dentro de um tempo relativamente curto.

É importante garantir uma boa colocação, mesmo que o candidato não fique dentro do número de vagas divulgado:

Tendo uma boa colocação no cadastro de reserva, é grande a chance de ser chamado. O TRE-RJ chamou no último concurso muito mais candidatos do que efetivamente o número de vagas divulgado, e há uma demanda no órgão, já que muitos servidores estão prestes a se aposentar.

Fonte: Jornal O Globo

Tags: , , ,


Sobre o autor



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑